Ja tem algum tempo que um pensamento ronda a minha cabeça todas as vezes que eu vou pensar em automação de marketing. Não é nada genial, na verdade, é até intimista e causa um certo medo de soar como bobo tamanha obviedade, mas dê uma chance. La vai:

“Por traz de cada contato existe uma pessoa”

Pronto, falei, ai você deve ter pensado: “Quem em sã consciência duvidaria disto?”. Não, não é questão de duvidar, é questão de sempre leve isto em consideração. Vamos lá, faça um exercício comigo. Imagine que você acabou de publicar um artigo no blog e precisa enviar um e-mail avisando à sua lista sobre o feito. Qual dessas duas frases funcionariam melhor para um e-mail para a sua audiência?

1- Caro usuário, clique no link abaixo e visite o novo post de do blog

2 –  Olá Fulano escrevi um texto e gostaria de te convidar pra dar uma olhada, está la no meu site, clica aqui que vai direto para a página. 

Escolheu a 1 ou a 2? No caso aqui, não estamos questionando gramatica, conjugação ou qualquer coisa relacionada à escrita. Além disto, independente da versão que você escolheu, certamente você escolheu aquela que melhor representa a sua relação com as pessoas que te seguem. Não existe certo ou errado, porém, é quase certo que se sua lista for muito grande ou composta por pessoas recém adicionadas as chances de você escolher a versão 1 é muito maior do que se a sua lista for formada por alunos, ex alunos, pessoas que você já encontrou pessoalmente ou mesmo que já reagiram de alguma maneira à aquilo que você fez.

Um fator é determinante para ditar as regras de quanta intimidade de um personalidade pode expressar para sua audiência, é a necessidade de aceitação. Voltando ao exemplo anterior, se a sua lista é formada por uma série de contatos frios e sem muita proximidade, isto coloca um alerta em seu instinto de sobrevivência que o leva a buscar o comportamento e a linguagem mais formal, a fim de evitar “pisar no calo de alguém” ou passar dos limites com alguma pessoa mais sensível e colocar essa relação à se perder. Este fenômeno pode ser observado em pessoas que nos primeiros passos na construção de sua lista de contatos, se entristecem profundamente quando alguém se descadastra. Tristeza essa que pode ser agravada quando a personalidade sofre de algum problemas de auto-estima.

Caso contrário ocorre quando essa mesma personalidade se vê aceito por uma audiência fiel e responsiva. Sejam alunos que correspondem ao professor ou algum fãn declarando amores ao seu ídolo, quando esta barreira é quebrada, existe quase que uma necessidade natural de intimidade e de um tratamento diferenciado para que o relacionamento não esfrie. Afinal, uma audiencia engajada é uma audiencia que confia, e quem confia apoia, seja através da divulgação, seja através do consumo.

Mas como realizar essa transição? Como transformar meros desconhecidos em amigos do peito? Simples, compreendendo que por traz de cada contato da sua lista existe uma pessoa que assim como você é insegura, está começando a descobrir quem é você e como é a melhor maneira de se aproximar. Assim como você se sente inseguro ela também se sente. Porém, enquanto você tende a se comportar formalmente pois tem que lidar com milhares ao mesmo tempo, o outro lado tende a ficar confuso por que acredita que você, sendo apenas 1, não corresponde exatamente como ela espera. E como é que faz pra resolver esse “xadrez emotivo”? Sensibilidade… Alguns vão perguntar: Isso não é frescura? Se a sua audiência for feita de robôs e seu papo for “compre agora ou caia fora” então sim, é uma baita frescura. Agora… se você já entendeu que a melhor venda é aquela que acontece sem que a outra parte perceba que comprou e ainda te agradeça por ter dado essa oportunidade a ela. Tenho certeza que você faria como eu fiz, que foi abrir cada um dos cadastros do alunos e colocar o nome do jeitinho que eu gostaria de chama-los a cada vez que enviasse um e-mail para eles. Todos vão gostar? Não sei, espero que sim, se não gostar é só mudar, mas aqueles que gostarem eu tenho certeza que vão gostar muito! 😀